Thursday, January 31, 2013

Poesia de Andaime #4

Voltando à poesia de andaime que tem estado em pausa.

Hoje apresento-vos o excerto sobre "Os Ordinários".

Que me desculpem as pessoas sensíveis e em especial a Mãe Buena. Mamãe, já sabes que odeio palavrões.

"Esta secção, não aconselhada a leitores com pacemaker, revela a face mais obscura da poesia de
andaime. Poesias rudes e deliciosamente envenenadas com sarcasmo e desdém. Versos muitas vezes
escritos à hora de almoço, sem a supervisão de um capataz devidamente credenciado e declamados
apenas pelos mais audazes dos homens.

34. Ó filha, fazia-te um pijaminha de cuspo.
35. Quem me dera que fosses um frango para te meter um pau no cu e fazer-te suar.
36. Só queria que fosses um cavalinho de carrossel, para te montar todo o dia por 50 cêntimos.
37. Ó filha, anda cá a cima que até a barraca abana.
38. Contigo filha, era até ao osso.
39. Metia-te-a inteira até que ma mordesses.
40. Posso tocar no teu umbigo da parte de dentro?
41. Ai de ti que eu saiba que esse cuzinho anda a passar fome.
42. Ó filha, enchia-te essa cona toda de massa.
43. Só não tenho pêlos na língua porque tu não queres.
44. Ó filha, anda cá a cima que ele não se vai chupar sozinho.
45. Tens uns olhos tão lindos, tão lindos, que te comia essa cona toda.
46. Caiava-te toda de branco por dentro.
47. Contigo era até encontrar petróleo.
48. Ó linda, sobe aqui à palmeira e anda-me lamber os cocos.
49. Ó faneca, anda cá que o pai unta-te.
50. O teu cu parece uma serra eléctrica, não há pau que lhe resista.
51. És tão quente que até se me grelham os tomates.
52. O meu amor por ti é como a diarreia, não o consigo manter cá dentro.
53. Diz-me quem é a tua ginecologista para eu lhe ir chupar o dedo.
54. Com esse cu, estás convidada a cagar na minha casa.
55. Contigo até me tornava mineiro, só para te abrir os buracos todos. 56. Podia ficar um mês a cagar trapos mas comia-te com roupa e tudo.
57. Posso pagar-te uma bebida ou preferes em dinheiro?
58. Ainda dizem que a fruta verde não se come.
59. Ó filha, lambia-te o que tu mais gostas.
60. Ó fofa, agarra aqui na corneta.
61. Agarra-me aqui no tarolo, ó princesa.
62. O teu pai deve ser arquitecto, tens um cu que é uma obra.
63. Ó filha, agarra aqui com a mão.
64. Que rico filho. Anda cá cima que eu faço-te outro mas mais bonito.
65. Ó sol, sopra aqui na minha flauta pingante.
66. Ó boneca, era a estrear."


Recolha e Textos de Luís Coelho 

15 comments:

  1. Ahahahahaha! Só conhecia a do pijama de cuspo. Os trolhas são um máximo, pá!

    ReplyDelete
  2. Já conheces o mítico:
    Ó estrela!! Queres cometa????

    ReplyDelete
    Replies
    1. claro! :D
      mas isto é dum livro sobre piropos! estou a transcrevê-lo. e entretanto ainda vou presa ahah

      Delete
  3. Os meus sinceros parabéns pelas excelentes compilações, sobre a pratica do romantismo trolha.

    Também já deambulei sobre o tema no meu estaminé: http://ocontadordecenas.blogspot.pt/2012/11/romanticos-incompreendidos-trolhas.html

    PS: deve ser giro um trolha usar o 59 ( Ó filha, lambia-te o que tu mais gostas) e a rapariga/mulher alvo do piropo responder: “ok, vai lá a casa lamber o péne do meu marido!”

    ReplyDelete
    Replies
    1. Ohhhh.... Ia dizer o mesmo! Que a 59 tem resposta e faz corar o trolha ;P

      Delete
  4. Gosto é da original forma de interpelação: "Ó isto, ó aquilo". Coerência acima de tudo.

    ReplyDelete
  5. Relembro que os textos não são meus! A minha pessoa não diz palavrões! :p

    ReplyDelete
  6. "Contigo era até encontrar petróleo" <3

    a minha favorita de sempre. é tão poética e mostra persistência.

    ReplyDelete
  7. Ahahahah...adoro poesia de andaime. Lol

    ReplyDelete

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...